Pintura Corporal

 
  A pintura corporal para o indígena é vista como uma das suas maiores e mais fortes demonstrações de expressão, tendo suas características voltadas para cada ritual e manifestação desejado, seja o casamento, a morte, as lutas, os diversos momentos de cultuar os deuses. É uma das maneiras de demonstrar a grande diversidade étnica e cultural existente no nosso país. Sendo que desde os primórdios, quando os colonizadores chegaram ao Brasil, isso foi algo que logo chamou a atenção deles, fato constatado na carta de Pero Vaz de Caminha para o Rei D. Manoel I, nela ele já deixava bem claro a exuberância e beleza dos índios nus que utilizavam apenas de suas pinturas para cobrir determinadas partes do corpo.
  As tintas podem ser obtidas de diversas formas diferentes, mas a mais utilizada é encontrada no Jenipapo, dele é extraído um líquido que posteriormente em contato com a pele fica com uma coloração negra, vale ressaltar aqui que essa tintura tem fixação muito grande na pele podendo durar de sete a catorze dias, nunca saindo antes de decorrido a primeira semana.  Algumas etnias utilizam também o Urucum como base para as pinturas corporais, dele conseguem uma coloração avermelhada que em contraste com o preto do Jenipapo faz com que a beleza das pinturas fique ainda maior.
  Existem muitas diferenças étnicas para serem ressaltadas dentro desse assunto, como a utilização de pinturas diferentes para as crianças em algumas tribos, homens com pinturas completamente diferentes que as mulheres em outras localidades. Como foi dito no começo, isso que ressalta a grande variedade étnica existente no nosso país, essa mistura de cores e culturas, tradições e conhecimentos.
  A preparação do pigmento é feita de forma simples, pegam a fruta com semente e a ralam, depois misturam com carvão ou algo similar para garantir uma maior diversificação das cores. Aqui o trabalho é puramente feminino, recaí nas mulheres a responsabilidade do preparo e de pintar seus filhos e marido. Durante dias comuns a pintura é feita de forma simples, o que não deixa de ter o seu toque de beleza, mas são nas festas e rituais que o primor e cuidado é visto com mais facilidade, são nesses momentos que todo o capricho e esmero é utilizado. Vale falar novamente que cada tribo tem sua pintura específica, como se fosse uma marca registrada, caso mais de uma utilizem o mesmo padrão pelo corpo podem ocorrer lutas entre essas etnias.
  Algo muito interessante é a função social que encontramos aqui, as pinturas além de tudo que já foi citado, podem ser feitas para diferenciar cargos, funções, status de cada pessoa e até mesmo para mulheres demonstrarem que estão em busca de um companheiro. É uma segunda linguagem dentro das tribos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário